O ‘Repensando’ veio à tona dois anos depois que decidi interromper as carreiras de jornalista, escritor e docente. No início, publicava em meu próprio site-portfolio (sergiovilasboas.com.br) artigos sobre minhas experiências com as mudanças que empreendi na minha vida recentemente. Mas fui capaz de perceber que aqueles artigos na verdade não diziam respeito apenas a mim. Os feedback recebidos indicavam claramente que os assuntos eram do interesse de qualquer pessoa adulta. Além disso, o approach filosófico comportamental estava bem afinado com o meu atual modo de ser e viver; e as neurociências aos poucos se firmaram como uma das referências de fundo.

O ‘Repensando’ é diferente: 1) Apoia-se em conhecimentos científicos, mas não é acadêmico (realiza análises lúcidas e acessíveis a públicos diversificados); 2) Convida à reflexão/ação pela via do raciocínio lógico e sensorial, sem proselitismos nem esoterismos; 3) Recusa o modelo “do-what-I-say”; 4) Denuncia padrões viciosos, mas não deixa de sugerir caminhos para alterar esse padrão; 5) Ajuda a aperfeiçoar conceitos, valores e propósitos.

O nome ‘Repensando Atitudes’ surgiu no meio do caminho, como uma sombrinha que se abre no exato momento em que as gotas de chuva começam a cair. Registrei o domínio minutos depois e passei a planejar a migração dos textos do meu site-portfolio para este site, que oferece conteúdos laicos escritos com a maior racionalidade, elegância e leveza possíveis; e que versam sobre assuntos que afetam o cotidiano.

Quer saber mais sobre a carreira do criador/editor do site? Aqui.

E por que as imagens sempre em Preto-e-Branco? Vamos lá: em fotografia, a luz se manifesta nas imagens por meio de uma escala linear que contrapõe valores antagônicos: claridade (presença de luz) e escuridão (ausência de luz). As fotos em branco-e-preto em geral são mais dramáticas que as coloridas porque ressaltam as belezas, os conflitos e as contradições da vida. A imagem em preto-e-branco tem ainda um significado extra no contexto deste projeto: simbolizar a natural dificuldade humana – agravada ainda mais pela escassez de tempo – de refletir claramente sobre assuntos tão corriqueiros quanto decisivos para a sua saúde física e mental.