Compromisso vai além da promessa

Compromisso não tem o mesmo significado para todas as pessoas e, para se comprometer, não basta dizer “estou nessa”. Mentimos para nós mesmos ou para os outros com certa frequência. Não raro fingimos estar comprometidos com isso e aquilo, essa e aquela pessoa, mas, no fundo, é bullshit. Comprometer-se não é uma declaração de valor ou de missão. O compromisso vai além da promessa.

Mas por que é tão difícil? Porque a gente promete se comportar de determinado modo, promete atingir resultados tais, mas, no fundo do fundo recusamos (ou preferimos ignorar) o processo necessário para partir do ponto A (o momento da escolha) e chegar ao ponto B (a situação desejada). Quantas vezes me comprometi com alguma coisa importante e acabei desistindo? Inúmeras. As razões? Várias.

compromisso vai além da promessa
Comprometer-se é aceitar o inevitável percurso entre o ponto A (o desejo) e o ponto B (a situação desejada) // foto: Niki Boon

Sintetizo-as mais ou menos assim: abandonei ou porque não estava realmente a fim ou porque na época eu não tinha a base material e psicológica que o “projeto” exigia. Em outras palavras, o desejo e a ambição estavam presentes mas meu hardware me traía. Minha mente rejeitava alguma parte do duro percurso que tinha pela frente (ou mesmo o percurso inteiro, em alguns casos). E quando o querer não é completo, há o risco de se autoboicotar.

RENDIÇÃO/ACEITAÇÃO

Você quer ter seu próprio negócio, por exemplo, sonha com isso, fala sobre isso o tempo todo e decide encarar. No caminho, porém, a realidade pode te cobrar mudanças de mentalidade; a realidade pode te informar que, sendo você essa pessoa que você sempre acreditou ter sido, não vai dar. Quando a realidade se impõe sobre nós e nos surpreende, que resposta damos, na maioria das vezes? Inventamos uma desculpa e pulamos fora.

A desistência em si não é um problema. Desistir é tão legítimo quanto continuar. Mas se te fica uma sensação de… derrota, então talvez você tenha se boicotado. Querer dirigir filmes somente para se tornar famoso/célebre – ou seja, dar mais importância ao lugar de destino do que à viagem – tem um preço (alto). O compromisso é genuíno quando enfrentamos o conjunto e damos pouca importância ao “se”, ao “mas” e à “glorificação”.

Bem, se isso ecoar dentro de você como uma espécie de rendição/aceitação, não terá sido por acaso. Comprometer-se é render-se à imprevisibilidade e, apesar dos obstáculos, mover-se continuamente na direção proposta. Aceitar o próprio eu também é fundamental. Quando verdadeiramente compromissados, deixamos de ser fantasmas, tiramos a máscara daquele alguém que nunca fomos e vestimos o uniforme de batalha.

compromisso vai além da promessa
Quando compromissados, tiramos a máscara daquele alguém que nunca fomos e vestimos o uniforme de batalha // foto: Jeffrey Allen

FRUTO GENUÍNO

Acompanhe: antes de se comprometer com alguém ou algo saiba que você precisa estar “casado de papel passado” (risos) com você mesmo. Só assim você poderá ver o mundo em sua infinidade de tons, mais ou menos como ocorre com Amilcare no conto “A aventura de um míope”, de Italo Calvino. A vida de Amilcare “torna-se cem vezes mais rica em interesses do que antes” quando ele põe os óculos pela primeira vez.

Se você parar para analisar perceberá que o compromisso genuíno por si só já é um fruto, independentemente dos resultados que você possa colher. O seu envolvimento, o vemos em toda parte; e sentir-se convincente (acreditado) é uma das emoções mais fulgurantes da existência; é a nossa vida encontrando o seu verdadeiro significado e expressão.

Atingido o ponto de rendição ao processo, podemos nos dedicar à “causa” escolhida. Alguns compromissos são amplos, como ir morar sozinho(a), mudar de emprego, promover a sustentabilidade, divorciar-se finalmente; outros são específicos – comparecer ao encontro marcado na hora marcada ou cumprir o pacto de passar o próximo sábado e domingo estudando em vez de namorar.

PAIXÕES

Já notou que a nossa cultura (ocidental) é muito dada a paixões? Uma das frases que a gente mais ouve é “sou apaixonado por” antes de um nome, uma ideia, uma habilidade, um prazer, um talento. E como essa frase reverbera por aí? Te respondem assim: “Então, siga a sua paixão, ora”. Mas é um conselho frágil. Paixões são necessárias e benéficas mas não necessariamente envolvem compromisso.

compromisso vai além de promessa
Paixões são benéficas mas não necessariamente envolvem compromisso: “Pegue sua paixão e faça-a acontecer” // foto: Neale James

Exemplo: tempos atrás, eu acreditava que era “apaixonado por” escrever, mas, enquanto fui simplesmente “apaixonado por” escrever, não escrevi nada que verdadeiramente me refletisse – essa afirmação é um pouco presunçosa, reconheço (risos). Daí me lembrei da letra da canção-tema do filme “Flashdance” (1983), que tem sido bastante reinterpretada por jovens talentos, como a brasileira Marcela Mangabeira.

A letra declara o quão belo, produtivo e irradiante é o sentimento de estar fazendo aquilo de que mais se gosta (no caso, dançar). [A propósito: sobre “o maravilhoso estado mental em que a pessoa fica totalmente imersa e envolvida em uma atividade, dando o máximo de si muitas vezes sem nem perceber”, leia “A Descoberta do Fluxo”, do psicólogo húngaro-americano de nome impronunciável: Mihaly Csikszentmihalyi.]

CONSCIÊNCIA DE IMERSÃO

Voltando: apesar de bater na tecla da crença na paixão como centelha inescapável, a canção “What a feeling” afirma o que acredito: “Take your passion/ and make it happen”. Sim, make it happen! Faça-a acontecer! Porque paixões todo mundo tem. Tivemos tantas e teremos incontáveis outras até que a morte nos separe. No entanto, as paixões tendem a ser fugazes.

Te garanto: escrever é uma das coisas mais importantes da minha vida, mas faz tempo que a escrita não me apaixona. Contradição? Nenhuma. Apenas migrei o meu olhar: das coisas pequenas que parecem grandes para as coisas grandes que parecem pequenas (ou que sequer são percebidas). Foi essa migração que me permitiu terminar este textinho, por exemplo.

Sergio Vilas-Boas

Sergio Vilas-Boas

Jornalista, escritor e professor. Autor de vários livros, entre eles "Perfis: o Mundo dos Outros", "Biografismo" e "A Superfície Sobre Nós" (romance). Mora em Florença. Mais informações: http://www.sergiovilasboas.com.br

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Why ask?

71 Shares 286 views
Share via
Copy link
Powered by Social Snap